Girafas:
animais que 
se destacam 
na multidão

por Lynn Hofland
Translated by Fábio Ramos


As girafas com certeza se destacam na multidão. Seja no zoológico ou no seu habitat natural na África central, elas são mais altas que os outros animais e são o segundo maior animal terrestre que existe hoje em dia (o elefante africano é o maior). O tamanho do pescoço da girafa intriga os observadores há anos. “Como foi que a girafa ficou com este pescoço tão longo?”, alguns perguntam.

Ao presenciar uma girafa de 3 metros de altura levantar seu pescoço de 2,5 metros até o limite e, então, somar outros 30 centímetros com sua língua comprida e gulosa, para pegar aquilo que parecia ser um galho fora do alcance no alto de uma árvore acácia, alguns podem acreditar que o processo de se esticar tenha levado ao processo de crescimento do pescoço da girafa. Mas, de fato, será que uma girafa é capaz de aumentar sua própria estatura?

    Se uma característica tivesse mudado, isso não iria afetar o todo? Vamos considerar o caso da girafa.

A girafa é um mamífero; portanto, a maior parte de sua anatomia é semelhante a de outros mamíferos. Como a maioria dos outros mamíferos, a girafa tem sete ossos no pescoço. Mas, e se ela não tivesse sete ossos entre o corpo e a base do crânio? Bem, o pescoço curto do ser humano dá suporte para balancear perfeitamente a cabeça na postura ereta com muito pouco esforço. Já a cabeça grande da girafa precisa ser mantida no alto o tempo todo. Quando a girafa está em pé, metade dos seus músculos do pescoço (que pesam em torno de 225 Kg) estão tensionados. A quantidade de músculos necessária é diretamente ligada ao número de juntas que tem que ser suportadas. Se fossem reduzidas para apenas duas juntas, no crânio e no peito, seu peso iria reduzir consideravalmente e menos energia iria ser necessária para sobreviver. Se a diminuição dos alimentos disponíveis levou o pescoço a se transformar, a quantidade de ossos no pescoço e juntas não seria mutável também por esse processo de evolução? Claro que o problema com este design seria uma perda de flexibilidade e isso iria aumentar grandemente as chances de o pescoço se quebrar caso a girafa recebesse uma pancada na cabeça ou no pescoço.

Por outro lado, um pescoço com muitas juntas necessitaria exatamente do oposto: maior utilização de energia e maior massa muscular a ser suportada. Isto faria o centro de gravidade da girafa deslocar-se para frente das patas dianteiras quando a cabeça estivesse estendida totalmente para frente, fazendo com que as patas traseiras saíssem do chão, supondo que as pernas da frente fossem fortes o suficiente. Sete ossos no pescoço é um design excelente.

Com a cabeça estando numa posição tão alta, o coração enorme da girafa deve ser capaz de distribuir em quantidade suficiente o sangue oxigenado por 3 metros acima até o cérebro. Isso seria um problema (envolvendo pressão arterial muito alta) quando a girafa estivesse com a cabeça abaixada bebendo água, não fosse por um aparato único de paredes arteriais reforçadas, válvulas anti-acúmulo e de desvio, uma rede de pequenos vasos sanguíneos (a rete mirabile, ou “maravilhosa rede”) e sinais sensíveis à pressão, que mantém o fluxo de sangue adequado para o cérebro na pressão correta. Mesmo para aqueles que consideram isso simplesmente como “adaptação à pressões gravitacionais no seu sistema cardiovascular”, a girafa é um animal único.
 
 

PREPARADA PARA A LEI DA GRAVIDADE
O coração da girafa é provavelmente o mais forte entre os animais, porque é necessário aproximadamente o dobro da pressão para bombear sangue para o longo pescoço até o cérebro. Com esta alta pressão sanguínea, só um design com características especiais poderia evitar que a girafa “explodisse sua cabeça” quando se abaixasse para beber água.

Igualmente maravilhoso é o fato de que o sangue não se acumula nas pernas e uma girafa não sangra de modo profuso quando sofre um corte na perna. O segredo reside numa pele extremamente rígida e numa faixa interna de tecido fibroso que evita o acúmulo de sangue. Esta combinação da pele tem sido estudada extensivamente pelos cientistas da NASA no seu desenvolvimento de roupas gravitacionais para astronautas. Colabora do mesmo modo, para evitar sangramento profuso, o fato de que todas as artérias e veias nas pernas da girafa são muito internas.

Os capilares que chegam até a superfície são muito pequenos e as células de sangue vermelho possuem cerca de um terço do tamanho das humanas, tornando possível sua passagem pelos capilares. Logo se torna perceptível que todas estas facetas únicas da girafa são interativas e interdependentes com seu pescoço longo.

Mas ainda tem mais. As células de sangue vermelho menores permitem uma área de superfície maior e uma maior e mais rápida absorção do oxigênio no sangue. Isso ajuda a reter a oxigenação adequada em todas as extremidades, inclusive na cabeça.

Os pulmões trabalham em conjunto com o coração para fornecer o oxigênio necessário para a girafa, mas fazem isso de uma maneira que é única da girafa. Os pulmões da girafa possuem oito vezes o tamanho dos pulmões humanos, e sua taxa de respiração é cerca de um terço da dos humanos. A respiração mais lenta é necessária para trocar o grande volume de ar requerido sem causar irritação na traquéia ondulada de 3,6 metros da girafa. Quando o animal respira ar fresco, o oxigênio consumido pela respiração anterior não consegue ser totalmente expelido. Para a girafa este problema aumenta devido à longa traquéia que retém maior quantidade de “ar velho” do que um ser humano é capaz de inalar em uma respiração. É necessário haver um grande volume pulmonar para fazer com que este “ar ruim” seja um percentual pequeno do total. Este é um problema de Física que a girafa resolveu.

NASCIMENTO DA GIRAFA

Para aumentar ainda mais a marvilha, temos o nascimento de uma girafa que certifica o argumento do design inteligente. O novo filhote nasce com 1,5 metros, pois a mãe não é capaz de sentar-se confortavelmente no chão - e deitar-se durante o nascimento seria um claro convite para que um leão ou outro predador atacasse a mãe. Como ocorre com todos os mamíferos, a cabeça é desproporcionalmente grande comparada com o restante do corpo no nascimento, e torna-se um desafio passá-la pelo canal.

O bebê girafa tem o desafio a mais de possuir um pescoço longo muito frágil ligando sua cabeça ao resto do seu recém-nascido corpo de 70 Kg. Se a cabeça viesse primeiro, o pescoço certamente quebraria quando o restante do corpo caísse sobre ela. Se a cabeça viesse depois, o pescoço certamente quebraria assim que o peso do corpo puxasse para baixo tentando tirar a cabeça para fora da mãe. Este aparente impasse é resolvido pelo fato de o quadril traseiro ser muito menor que o peitoral frontal e o pescoço ser longo o suficiente para permitir à cabeça passar através do canal apoiada no quadril traseiro. Os pés traseiros saem primeiro para segurar a queda do restante do animal. A cabeça é suportada e sua queda é amaciada pelo quadril traseiro e o pescoço é maleável, permitindo uma inclinação acentuada ao redor do peitoral.

Esta é uma saída perfeita que seria impossível em qualquer outra combinação ou com qualquer outro tamanho de pescoço. Dentro de minutos o novo filhote já está graciosamente de pé entre as pernas da mãe. Do nascimento à vida adulta, em apenas quatro anos, o pescoço cresce passando de um sexto para um terço da altura total da girafa. Este crescimento é necessário para o animal superar a altura da sua perna e poder inclinar-se para beber água. A comida durante o primeiro ano do filhote é quase exclusivamente o rico leite de sua mãe, que pode ser alcançado pelo filhote facilmente.

Ecologicamente, a girafa é perfeitamente compatível com seu ambiente. Existe a necessidade de um aparador de árvores para evitar que as árvores que obscurecem a luz e crescem rapidamente façam muita sombra no solo e acabem matando a grama tão necessária que provê alimento para outros animais da savana. Há também necessidade de uma sentinela que possa ver acima da mata alta e que possa observar os movimentos dos felinos predadores. A girafa não somente é alta o suficiente para isso, mas também tem uma visão excelente e uma curiosa disposição. Depois de alertar outros animais com vários movimentos sonoros da cauda, a girafa sai da zona de perigo ousadamente pisando firme. A grande altura corporal, as camadas rígidas de pele, o coice traseiro mortal e a capacidade de correr a passos longos e rápidos fazem da girafa adulda uma presa indesejável para qualquer carnívoro.

Sugerir que tudo isso poderia ter evoluído de uma única classe de animal, sem quaisquer parentes próximos concebíveis e se tornando tão desenvolvido devido apenas a uma suposta falta de alimento no nível do solo - é absurdo. Não deveriam também outros animais que se alimentam no nível do solo, sendo vulneráveis aos felinos maiores e sendo bombardeados com a mesma radiação cósmica, ter alcançado uma estatura mais parecida com a da girafa?

É interessante que há outros animais que se alimentam sim de árvores. A gazela-girafa da África tem o pescoço mais longo na família das gazelas, tem uma língua comprida e come folhas das árvores apoiando-se nas suas pernas traseiras. O bode markhor (bode selvagem indiano) do Afeganistão sobe em árvores de até 7,5 metros para comer folhas das árvores. Outros mamíferos desejam as folhas das árvores, mas nenhum deles irá jamais se tornar uma girafa, e a girafa com certeza não veio de algum outro animal “menos-que-uma-girafa”.

Não podemos saber se as condições eram as mesmas no passado, mas a “necessidade de sobreviver alcançando sempre mais alto para obter comida” é, assim como muitas explicações Darwinianas deste tipo, pouco mais do que uma mera especulação post hoc (nota do tradutor: expressão do latim para expressar a falácia do tipo: se aconteceu depois disso, então foi por causa disso). O registro dos fósseis somado ao único e maravilhoso design observado neste animal atestam isso. O louvor, a glória e a honra vão para o Criador da girafa.
 

Referências

1. Percival Davis and Dean H. Kenyon, Of Pandas and People, (tradução: Sobre Pandas e Pessoas); Haughton Publishing Company, Dallas (Texas), 1989, p. 71.

2. Alan R. Hargens, Developmental Adaptations to Gravity/Cardiovascular Adaptations to Gravity in the Giraffe, (tradução: Adaptações de Desenvolvimento para a Gravidade/Adaptações Cardiovasculares para a Gravidade na Girafa); Life Sciences Division, NASA Ames Research Center (California), 1994, p. 12.

3. Helen Roney Sattler, Giraffes, the Sentinels of the Savannas, (tradução: Girafas, as Sentinelas das Savanas); Lothrop, Lee and Shepard Books, New York, 1979, p. 22.

4. Francis Hitching, The Neck of the Giraffe, Where Darwin Went Wrong, (tradução: O Pescoço da Girafa – Onde Darwin Errou); Ticknor and Fields, New York, 1982, p. 179.


LYNN HOFLAND, B.S.E.E., é um Engenheiro de Testes no Centro de Pesquisa Ames, na NASA, Mountain View, California. Ele e sua esposa educam seus três filhos em casa (home school) e iniciaram o “Ministério Stiffneck” cinco anos atrás para prover material didático criacionista para outras pessoas que educam seus filhos em casa (homeschoolers).

Girafas: animais que se destacam na multidão
<http://www.creationism.org/portuguese/giraffes_pt.htm>



MAIN:  PORTUGUESE
www.creationism.org